segunda-feira, 11 de maio de 2009

Tempos Modernos



Somos isso ai, uma desgraça,
Pequena história, de um longo tempo atrás...
Começando com tendências, tendenciados.
Numa grande reciclagem, de erros sem fim.

Oh, não é meu sangue ali no sol?
Que me pintou, sobre os milênios, até aqui?
O que me trouxe, nas avenidas, despedaçadas,
Ás quatro horas, da encruzilhada
De pensamentos neandertais?

Oh, sangue... Me d-d-d-deixe ir...
Pra viver lá sobre as horas, sem o porquê
Dos segundos... Rolando pelos dias,
Galgando no instantâneo, na maré
Feita de casos, de bardo em carochinha.

Pra passear nos moralismos, oh que tarde de sol!
Vagando em meio de padrõ-ões,
Velando mil promessas...
Medido por gramática,
Aonde eu vou?

Be-be-beirar na ignorância,
Regrado por grandões,
Em termo mais enfático,
Viver em senso dos iguais.
Perda de Tempo.

2 comentários:

Marcel Almeida disse...

Woa! Passando pra deixar um abraço! E não esqueci da promessa ein! Espero um dia estar com um de seus livros em minhas mãos. Abraço!

Silas disse...

boa!